NOSSA HISTÓRIA

Somos uma Organização Social de Interesse Público (OSCIP),uma organização social sem fins lucrativos que desenvolve projetos nas áreas de artes plásticas, educação, arquitetura, e mais tópicos que constituem a vida do ser humano.

Somos uma associação de profissionais atuantes e interessados pela área cutural que acreditam e enxergam nas atitudes culturais as soluções para um melhor desempenho humano em sua convivência com seu exterior.

 

Temos o objetivo social de proporcionar e viabilizar ações culturais que influenciem e transformem o cotidiano daqueles envolvidos por nossas ações. Desde quem trabalha para sua realização (nossa equipe),servidores eventuais de nossos projetos (parceiros e prestadores de serviços), até as pessoas diretamente envolvidas na absorção  de seus resultados como alunos de projetos e  como público global beneficiado por nossas ações.

 

HISTÓRICO E EXPERIÊNCIA DA INSTITUIÇÃO

 

Fundado em 2005, o Instituto Via Cultural é uma OSCIP regulamentada e certificada pelo Ministério de Justiça desde 2008, Instituição Cultural reconhecida pela Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo em 2010 e Ponto de Cultura da Prefeitura do Município de São Paulo desde 2014. O Instituto atua como ferramenta para a construção de uma sociedade cultural cidadã e autossuficiente, mantenedora dos seus bens e patrimônios, conhecedora de sua história, formação e importância, assim como propicia capacitação das comunidades locais para introdução ao mercado de trabalho e geração de recursos para sua subsistência. Tem o olhar voltado para a atuação artística e cultural como base de uma nova educação. Cria e coordena projetos ligados às artes, patrimônio histórico material e imaterial, audiovisuais, documentários, mostras e publicações especializadas ligadas aos projetos. 

 

CRIAÇÃO. O Instituto Via Cultural nasceu de uma vontade coletiva de viabilizar desejos e ações.  Através da materialização de pensamentos e conhecimentos, busca caminhos de autoconhecimento, desenvolvimento de cidadania vivencial, transformação e empoderamento sociocultural. O Instituto proporciona a facilitação necessária para se atingirem caminhos escolhidos pela própria comunidade, respeitando sua bagagem de cultura e costumes. Fomentando a escolha de tais caminhos, motiva-se o público-alvo a transformar passos em uma jornada. O Instituto Via Cultural tem como pedra fundamental criar caminhos para a transformação e inclusão social através da educação pela cultura, atuando de forma transversal e transdisciplinar desde 2005. O Instituto é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos e de duração por tempo indeterminado, situado no Município de São Paulo, Estado de São Paulo, e foro na mesma Comarca, da Capital do Estado de São Paulo.

MISSÃO. A missão do Instituto Via Cultural a de é criar caminhos para a transformação e inclusão social através da educação pela cultura. Elaboramos e executamos projetos e ações para promover e assegurar a melhor qualidade de vida dos cidadãos com ética, legalidade e transparência. Projetos desenvolvidos com excelência em educação pela cultura, transdisciplinares, metodologia inovadora, publicações, treinamento de profissionais da área de educação, workshops para empresas, palestras e exposições. O Instituto VIA CULTURAL foi criado para possibilitar a organização e estruturação do pensamento para uma atuação em rede de pessoas interessadas em agir dentro das conformidades da lei, atingindo intentos socioculturais de pesquisa, capacitação, estruturação e sustentabilidade, nos segmentos de Cultura, Educação e Meio Ambiente.

 

DESTINATÁRIOS. A Via Cultural trabalha para todos os extratos da população, sem distinção. Com o objetivo de atender e respeitar a diversidade desenvolvemos a coordenação das ações orientadas e trabalhadas com uma metodologia inovadora, acreditando que processos de multiplicação só se tornam reais e expandidos quando todos podem ser envolvidos, mesmo que em diferentes posicionamentos e condições. A mudança ocorre quando, pelos esforços individuais somados aos esforços das equipes e pela alocação dos recursos, são atingidos empresários, funcionários, equipes de treinamento, educadores, alunos e sociedade, gerando não só crescimento local estrutural e cultural como melhoria da qualidade de vida nas relações do sistema.

 

PRINCIPAIS LINHAS DE ATUAÇÃO E OBJETIVOS (cf. Estatuto). A Via Cultural tem por finalidade o fomento e a gestão de projetos, eventos e ações que promovam: a cultura, a defesa e conservação do patrimônio histórico; a defesa e conservação do patrimônio artístico e imaterial, bem como a promoção de projetos sócio produtivos de educação; a promoção de projetos e programas de assistência e melhoria da qualidade de vida; o desenvolvimento de ações culturais que possibilitem a disseminação do desenvolvimento sustentável com responsabilidade social, bem como o estudo, desenvolvimento e proposição de políticas públicas; o respeito ao homem e ao meio ambiente, a capacitação e conquista de cidadania; a promoção da ética, da paz, dos direitos humanos, da democracia e de outros valores universais, organizando metodologias e cursos, conferências e seminários, bem como editando publicações, visando debater e estimular ações da entidade, de comunidades, do mercado cultural e da cidade.

 

PORTFOLIO. Com sede própria na Avenida Brigadeiro Faria Lima, 1597, atendimento no SESC Ipiranga com supervisão na sala 12 e com aulas e oficinas no equipamento, também atende oficinas no ponto de cultura (spcultura.prefeitura.sp.gov.br/) no centro antigo da cidade de São Paulo, na Rua  Brigadeiro Tobias, 118 - 39° andar,  e em praças no centro da cidade, o Instituto Via Cultural tem seu portfólio projetos nas seguintes áreas:

 

Cidadania e Meio Ambiente. Em 2014, o Projeto Utopia SP lançou o primeiro Concurso Fotográfico #utopiasp do Instituto Via Cultural, apresentou a proposta de construção de uma nova versão de cidadania e vida através do olhar restaurador e do reconhecimento da cidade e do patrimônio material e imaterial de nosso território, reescrevendo a história do coletivo com a reunião de visões múltiplas e cartográficas da capital paulista e a troca de percepções visuais e afetivas entre as diferentes regiões da cidade. Pelo Instagram e com a hashtag temática da edição anual, recebemos imagens amadoras e profissionais de cenas do cotidiano da população apresentadas por meio de fotografias que capturam ora momentos inspiradores e provocadores, ora ressignificações de olhares e intenções em por nossas mãos, nossa percepção e engajamentos com licença poética e política para querer uma cidade melhor. A primeira edição #utopiasp “A Cidade que Quero Ver” trouxe o despertar para um novo olhar sobre a metrópole, suas ruas, esquinas e memórias. Foram reunidas fotografias que revelam universos particulares e coletivos da cidade de São Paulo, registradas pelos próprios moradores da capital, inspirados pela ideia de utopia e da ressignificação da cidade e seus espaços. Em 2015 o concurso pretendeu conscientizar e gerar um diálogo criativo sobre a questão da água, que é atemporal, e como lidamos com algo que sempre foi uma preocupação e se tornou urgente diante da crise hídrica e dos problemas de São Paulo com relação ao racionamento e uso da água, às chuvas e aos rios, com tema #utopiasp “H2O: Água nossa de todo dia”, sendo que a exposição ocorreu no espaço expositivo da FNAC de Pinheiros.  No ano de 2016, em sua terceira edição, o #utopiasp “Seu Lixo Meu” abordou a visão da população sobre o descarte de lixo. A abordagem do projeto foi a da visão utópica de Michel Foulcault (“O Corpo Utópico, As Heterotopias”, 2013, n-1 Edições). A abertura e as premiações foram realizadas na Livraria Cultura do Conjunto Nacional. A exposição ocorreu no espaço expositivo da Livraria Cultura na Avenida Paulista. Em 2017, sua quarta edição discutiu a questão da arte urbana, recebendo mais de 1300 cliques de paulistanos e a mostra fotográfica #utopiasp_arte ocorreu no Mezzanino do Cine Caixa Belas Artes com premiação das imagens mais icônicas. Agora em 2018 o Concurso convoca a convivência na cidade. Com o tema São Paulo é um lugar para se conviver, está recebendo fotos com a hashtag #utopiasp_conviver.

Inclusão e Documentação Perceptiva. O Laboratório Despertar foi contemplado pela primeira edição do Edital Redes e Ruas da Prefeitura de São Paulo e das Secretarias de Cultura, Serviços e de Direitos Humanos e Cidadania. Com o olhar voltado para a atuação artística e cultural como base de uma nova educação e reestruturação educacional, o Laboratório é um projeto cartográfico de Arte e Tecnologia para formação vivencial e cidadã coordenando trajetórias de visão e atuação para transformação de observação passiva em ativa, criando um portal comunicativo entre os atos de informar, organizar dados e realizar trocas de repertório e cultura global, por meio de oficinas multimídias iniciadas com a aproximação do uso do equipamento celular. O objetivo é através da transposição ao ciberespaço atingir a consciência de protagonismo. O projeto promove uma mostra visual que discute saúde, estética, história, técnicas de registro e cidadania. Dentro do seu escopo, qualifica a análise, narrativa e técnica da expressão dos adolescentes nas multiplataformas. Também contextualiza na cibercultura a compreensão do alcance comunicacional (sinergia, onda, mimetismo) e gera posicionamento nas redes de relações presenciais e virtuais. A abrangência do projeto foram as regiões Oeste e Centro da Capital (CEU Butantã, Praça Elis Regina, Biblioteca Monteiro Lobato, Largo do Arouche, CEU Jaguaré, Largo da Batata, UNIBES, MASP, Praça Cornélia, Biblioteca Mário Schenberg e Praça Roosevelt). Atualmente o projeto contemplado pelo FUMCAD e Secretaria de DIreitos Humanos, trabalha o cinema experimental, o streaming e o registro como forma de comunicação e inclusão nas praças e largos do centro antigo com adolescentes inscritos e público espontâneo.

Ciclo de Debates. O Instituto Via Cultural, reúne profissionais de diversas áreas para a discussão de temas atuais relacionados à cultura, educação, cidadania e sustentabilidade. O Ciclo ocorre desde 2009, com o apoio de nossos colaboradores e parceiros, como o Sesc SP, Associação Viva o Centro, Universidade Presbiteriana Mackenzie - Centro da Memória, Casa da Cidade, entre outros. Realizado uma vez ao ano, busca variar os profissionais durante os encontros para o enriquecimento das discussões com o público.

Cinema. Desde 2008, o Instituto Via Cultural pesquisa, produz e organiza o material gerado pelo cineasta Elyseu Visconti Cavalleiro. Com seu aval, o Instituto atua na certeza da importância da obra e acervo, consolidando a proposta com todas as convergências encontradas em seu pensamento e manifestações artísticas. Herdeiro de plasticidade inigualável expressada no desenho e nas artes gráficas, Cavalleiro produziu nos anos da ditadura militar no Brasil uma cinematografia autoral, antropológica e delirante, distribuída entre longas-metragens e dezenas de documentários sobre cultura popular, arquitetura colonial e outros temas.

Escultura. A mostra Brecheret e a Escola de Paris apresentou a influência no espaço urbano paulistano a obra polarizadora do movimento Modernista, em parceria com o Instituto Victor Brecheret e realização pelo SESC SP por ocasião das comemorações do Ano França no Brasil.

Educação e Patrimônio histórico e cultural. Memórias Construídas é um projeto socioeducativo da VIA CULTURAL iniciado em 2006 em parceira com o Fundo Social do Estado de São Paulo e desde 2008 vem sendo desenvolvido em parceria com o SESC São Paulo, com apoio do Governo do Estado, que oferece oficinas de criatividade com o intuito de promover a convivência e a troca de experiências. Um conjunto de ações de artes integradas em dinâmicas, aulas em atelier com teoria e técnica, estudo do meio e aulas em campo. Por meio da arte do Restauro, História da Arte, Cidadania, Fotografia, Desenho, Modelagem e Maquete, Pintura e Teatro, o curso pretende fomentar a formação integral dos participantes em um processo de educação cultural para produzir resultados para a vida e para a inclusão. Voltado a jovens de 14 a 18 anos. Através de diagnose e investimento nas oficinas de educação para desenvolvimento humano integral, pretendemos estimular em habilidades práticas e profissionalizantes, a atuação do público envolvido, especialmente para a promoção de estratégias e mecanismos que promovam o protagonismo de adolescentes e jovens para fortalecimento de sua participação na vida comunitária, como mediadores e agentes de transformação sociais, culturais e ambientais. Cartografias Restauradas é um projeto socioeducativo da VIA CULTURAL direcionado para jovens de 15 a 21 anos e tem como foco o fomento do reconhecimento da memória histórica e oral na memória do patrimônio histórico como ferramenta de incentivo para o crescimento pessoal, a ampliação do universo perceptivo, a restauração de valores e da persona, a inclusão social e a ação preventiva à vulnerabilidade econômica, na criação de registros de uma dialética entre o espaço e as personagens da cidade. Esse projeto tem como objetivo geral capacitar jovens de ambos os sexos, com habilidades necessárias para as diversas atividades que envolvam o acompanhamento técnico de pesquisadores históricos integrados a bens materiais e imateriais da cidade na pesquisa cartográfica junto à terceira idade. Possibilitar a esses jovens a perspectiva da defesa e garantia de seus direitos a uma vida digna, diminuindo assim a desigualdade social, facilitando a sua inclusão social e evitando que a falta de profissionalização interfira no desenvolvimento pleno de sua vida, promovendo consciência ética, competências transdisciplinares e direcionamento para inclusão socioeconômica. O projeto Cartografias Restauradas tem como finalidades identificar tudo o que é digno de nota no terreno, de modo a provocar uma tomada de consciência sobre a memória das populações paulistas e paulistanas, fixa e migrante. Busca ainda estudar e classificar, de acordo com as técnicas mais eficientes, edifícios, objetos e história, de modo a inscrevê-los na memória nacional. A dinâmica é através de aulas, visitas educativas a museus e equipamentos culturais, apresentação de filmes, apostilas, debates, questionários, aulas de Fotografia e Redação e saídas para entrevistas.

Restauro e preservação de patrimônio. De 2014 a 2016, fornecemos o curso semestral Memórias Construídas Intergeracional, trabalhando os conceitos e técnicas que inserem o ensino do restauro na cidade de São Paulo. Totalmente gratuito, os alunos com mais de 21 anos, acessam o conhecimento e executam a parte técnica. Complementando as aulas teórico-práticas do atelier, as aulas de fotografia, história da arte e desenho de observação fecham o conteúdo programático. Trabalhamos o para atender a um público misto e diversificado com o foco na área de preservação de patrimônio histórico material e imaterial. Nossa meta é estimular  a vivência  de singularidades que formam o cidadão,  atentos à transformações da vida  no nosso dia a dia, que se interessem em consolidar informações que promovam um caminho novo dentro da área de conservação e restauro. O núcleo de Restauro é baseado nas práticas anteriores que fundamentaram o próprio Memórias Construídas, apresenta a introdução às técnicas de conservação e restauro em Madeira, Ferro, Cantaria, Gesso e Cantaria, Tela, Papel, douramento e pintura para introdução à conservação e recuperação na área de patrimônio Sacro e Museológico. Desde a reserva técnica, registro, memorial descritivo, diagnose, EPIs, relatórios, fundamentação, bibliografias, técnicas e práticas, daremos a introdução fiel aos procedimentos necessários para iniciação ao restauro. Com o objetivo principal trabalhar criando uma interlocução direta com a oficina de restauração. No Núcleo de Percepções desenvolvemos os conteúdos de História (com enfoque em História da Arte),Linguagem Fotográfica,Desenho e Observação Artística  e Arquitetura. Neste núcleo buscamos trazer o conhecimento acadêmico à realidade em que vivemos.  Recriar, entender e pertencer  são as três ações principais do Memórias Construídas Intergeracional.